Depoimentos

Excelente resenha do livro no site Digestivo Cultural, por Gian Danton


"Acabei de ler seu livro e achei excelente. Faço votos para que surja um produtor interessado em transformar a obra em filme. Vou recomendar o livro a todos!"

Filipe Nascimento

Comentário do autor:  Estamos procurando interessados em produzir o filme; no momento o livro está sendo avaliado, ainda sem compromisso, por um produtor nacional com contatos no exterior.


"Leitura envolvente, instrutiva e com direito a quatro anos de suspense para saber se de fato estamos chegando numa nova era para a humanidade. Uma proposta de superação dos problemas que nos envolvem ao alcance da nossa mão."

Iso Sendacz


"Acabei de ler seu livro, "O Nome da Águia", e confesso que fazia muito tempo que não lia uma prosa que me empolgasse tanto. ( E confesso que isto não é muito fácil, sou um leitor muito chato). A maneira cinematográfica que a narrativa se desenrola é impressionante, os capítulos curtos, sempre fechados de modo que a tensão do texto permaneça.  A transformação em um roteiro para cinema está muito fácil. Fiquei feliz em ver um escritor que tem uma preocupação com os detalhes, e que ao mesmo tempo não elimina a imaginação do leitor.  A questão das datas históricas e locais, mesmo quando criação do autor, convencem pela precisão e cuidado. É perceptível uma boa pesquisa e leitura.  Tudo está muito bem amarrado, há uma linearidade sem ser previsível. Apesar de contar duas histórias que se fundirão no final, não é confuso. O detalhe das notas de rodapé também é muito interessante, uma vez que pode citar nomes e lugares sem que o leitor se perca da narrativa.  Muito interessante também a teogonia utilizada, e a maneira com que ela se encaixa com precisão à narrativa.   Há uma recriação de uma nova religião, quem sabe daqui alguns anos haverá até alguns seguidores?

 Em relação às notas de rodapé, fiz duas anotações que lhe queria perguntar, na página 157 é citado de Herodes, é "ismodeu judaizado" não especificando o que isto de fato significa, onde em vários lugares há uma descrição precisa do que é o que,  e na página 285 a palavra "aletheia" é grego, não sei se existe correlação no hebraico,  pois é uma palavra composta, "a", não e "lethia" "letho", bruma, encobrimento, mentira,  fora isto, tudo é de uma grande perfeição. "

Edson Bueno, premiado escritor de Santo André.  Saiba mais sobre Edson Bueno aqui.

Resposta do autor:  O judaísmo é mais que uma religião, é a definição de um povo; portanto, ou você nasce judeu, ou você é "judaizado", ou seja, convertido ao judaísmo a partir da sua religião original.  Quanto à palavra aletheia, Edson está correto - o erro será corrigido na próxima edição.  Obrigado, Edson!


"Ótima leitura, com um texto muito interessante e original. A trama envolve uma "ligação espiritual" que existiria entre as vidas de líderes de grande influência na história da humanidade, e utiliza temas controversos da religião e da filosofia (a reencarnação; a oposição entre o "bem" e o "mal", que podem ser apenas "visões diferentes" dos fatos, dependentes do ponto de vista; o destino da raça humana).

A recriação da história de Caim e Abel (Qanah e Hebel) e a saga milenar desses personagens com visões tão diferentes da maneira de alcançar o Criador, ao longo de intermináveis gerações e reencarnações, por si só já é suficiente para cativar o leitor. Como se isso não bastasse, o autor ainda oferece detalhes históricos precisos e conduz a narrativa em ritmo de suspense, à maneira de "O Código da Vinci".

Achei sensacional o modo como o Alexandre conseguiu relacionar as passagens históricas e tornar tão verossímil uma história que, à primeira vista, seria totalmente improvável. Além disso, a precisão dos detalhes é tão grande que fiz a leitura criando aquele "filme" dentro da cabeça, quase acreditando que era tudo verdade e já torcendo para que Qanah finalmente parasse de causar tanto sofrimento.

Muito interessante também foi a criação de duas tramas diferentes no tempo, uma no futuro (em 2012) e outra ao longo dos séculos, vindo se cruzar no final. O resultado foi que, depois que comecei a ler, não consegui mais largar o livro até chegar ao fim! Parabéns ao autor pela história e também pelo site de divulgação, que está muito bom; poucas vezes vi um trabalho de tamanha qualidade no lançamento de um livro nacional."

Erasmo Leite Jr.


"Muito emocionante, envolvente. Tem certeza que não é real?"

Marco Antonio

Resposta do autor:  Sinceramente?  Eu nunca disse que não era real... 


"Cara, gostei muitíssimo do livro, tanto que o li em apenas três dias. Você está cada vez melhor! A leitura prende a atenção e a trama foi bem desenhada. Seu estilo está firmado e tem muita personalidade.
Somente para ficar mais precisa a narração é que faço algumas observações. Na verdade, o texto "no princípio era o verbo, e o verbo estava com Deus e o verbo era Deus" é a abertura do evangelho de João, e não está no Gêneses. Eu não sei se você quis se referir ao texto bíblico ou apenas ao sentido do temo "gênese". Se foi o último caso, não há incorreção. No entanto, confunde, de fato, quem conhece os livros.
A outra observação não é nenhuma crítica, mas o fato de ver Jesus como mais uma das encarnações de Hebel tirou um pouco de sua "divindade"...eu sei que essa é uma questão de atribuição de valor ao personagem histórico "Cristo", e você (não sei qual sua crença) não tem obrigação de valorar como eu essa questão. Costumo dizer que Ghandi, Maomé, Sidarta, todos foram grandes homens, mas Cristo não pode (na minha visão) estar nesta lista. Ele é Deus encarnado (na minha crença) e não a luz de Deus encarnada. Mas esta não é minha visão como leitor, apenas minha opinião como "seguidor de Jesus".
Quanto à trama, eu achei a narrativa esplêndida!
Ainda em relação às encarnações, gostei de Qanah ter reencarnado no papa Inocêncio III, o que reflete o entendimento (que deve ser seu) de que Deus não precisa de uma instituição para se fazer presente entre os homens. De fato Deus não habita em templos, mas nos corações humanos.
Outra informação que eu queria passar é que seu livro me lembrou muito o livro "Nefilin", do Caio Fábio. Tanto no aspecto das narrativas de épocas diferentes, quanto às citações do livro de Enoch, o romance milenar, etc.
Não sei se você conhece o autor. Ele é um pastor não muito "ortodoxo", que em meados da década de 90, foi o ícone mais representativo da igreja evangélica no Brasil. Hoje ele se considera fora desse "segmento" (de fato está) e critica bastante as posturas dos evangélicos. Eu estou freqüentando a comunidade que ele dirige, aqui em Brasília.
Pois bem, o Caio Fábio tem algumas dezenas de livros publicados. Entre eles está o "Nefilin", uma ficção sobre um homem que tem o coração transplantado e começa a fazer viagens no tempo, para a época de Enoch, quando gigantes habitavam a terra. Ele extraiu muito conteúdo do livro de Enoch e foi bastante criativo na narração. O livro tem um conteúdo filosófico/religioso muito profundo também..."

André Luiz de Viana Barcellos

Resposta do autor:  Obrigado pelos comentários. Respondendo às perguntas implícitas no seu comentário: 

Quanto à questão do trecho da Bíblia, eu me referia genericamente à Gênese, mas como você bem apontou, isso gera confusão para quem conhece mais profundamente os livros da Bíblia, vamos corrigir na próxima edição!

Já quanto as questões relativas às "reencarnações" dos personagens, devo dizer que a reencarnação, no livro, é apenas um recurso literário que visa dar consistência à trama, e não é apresentada de forma dogmática, nem com objetivo de fazer qualquer um acreditar nela.  Particularmente, concordo com você que Jesus com certeza foi um ser único, e até por isso não poderia ficar fora da trama. 

Por fim, fiquei curioso sobre o livro de Caio Fábio!  Fica a dica, para outros leitores!


"Terminei de ler seu livro.  Muito bom mesmo.  Parabéns!

Fiquei positivamente surpreso com a narrativa ágil e o uso esperto de 'cliffrangers'... Era difícil interromper a leitura!  A trama é realmente intrigante e gostei da resolução '<removido pelo autor pois comenta parte da resolução da trama>', pois toca num tema que sempre me interessou...

Coloquei no meu blog um post falando sobre seu livro."

Carlos Araujo, ilustrador muito talentoso

Conheça os trabalhos dele em www.silbachstation.com


"Gostei muito do seu livro e o devorei em poucos dias.  A trama é realmente muito instigante e as referências de pesquisa são surpreendentes"

Vladimir Abreu - Consultor de TI e escritor


"É um livro envolvente, cativante, empolgante. Impossível não ficar envolvida e curiosa com a trama. Muito bem escrito e com muitos detalhes e informações interessantes e precisas. Parabéns pela grande obra! Ficarei aguardando a próxima sair do forno... "

Paula Filimberti
 


"Lindo. Um dos melhores livros que já li. Sucesso e espero o próximo. Felicidade."

Raul Tabajara